Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Falência e recuperação judicial

Edição: 09/2010

1) Termos e suas implicações.
A atual lei de falências e concordatas é revogada pela Lei nº 11.101, "Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência de devedores pessoas físicas e jurídicas que exerçam atividade econômica regida pelas leis comerciais, e dá outras providências".

O antigo termo concordata foi substituído pela Recuperação Judicial; eis que o primeiro caminho para se tentar solucionar as dificuldades econômicas e financeiras do devedor é a possibilidade de, primeiro preservar as atividades da empresa, a manutenção dos empregos e o papel daquela no contexto social.



2) A lei visa principalmente à recuperação da média e grande empresa, sendo a recuperação das empresas de pequeno porte e microempresas vista de forma secundária.
A lei de recuperação de empresas e falência está mais preocupada com a recuperação das médias e grandes empresas, criando para essas um procedimento ordinário e submetendo as empresas de pequeno porte e microempresas a um procedimento especial, semelhante à atual concordata preventiva, dilatando o máximo do prazo atual de pagamento dos credores quirografários de 24 para 36 meses, podendo ser prorrogado por mais um ano.



3) As concordatas preventiva, suspensiva e a continuidade dos negócios do falido.
As concordatas preventiva e suspensiva e a continuidade dos negócios do falido após a declaração da falência, que eram mecanismos de recuperação judicial da empresa, atualmente dão lugar a um único processo, chamado de recuperação judicial que ocorre sempre antes da falência.



4) A recuperação extrajudicial.
A recuperação extrajudicial é uma tentativa do devedor resolver seus problemas com os credores sem que haja grande necessidade da intervenção judicial.

Na antiga legislação, o empresário que propunha dilatar o prazo de pagamento de suas dívidas e pedia remissão de seu débito podia ter sua falência declarada.

Mas isso não ocorre mais com a nova legislação, onde os credores são chamados extrajudicialmente para negociar seus créditos com o devedor.

Na prática, o processo de recuperação extrajudicial representa a primeira tentativa de solução amigável das dívidas do empresário, e surgem muitos escritórios se autointitulando especialistas nesse tipo de negociação, devendo os devedores estarem atentos.



5) Da recuperação judicial.
Não sendo possível a recuperação extrajudicial, o próximo passo será a busca da recuperação judicial.

Neste caso, ocorrerá uma maior intervenção judicial e o devedor deverá apresentar um plano de recuperação judicial e irá negociá-lo com os credores reunidos em assembleia.

O devedor deverá ser um bom negociante. Os credores poderão rejeitar o plano de recuperação, propondo ou não alterações. No primeiro caso o devedor se submete a aceitá-las, pois, caso contrário, poderá ser declarada sua falência se as modificações não forem abusivas, como ocorre de forma geral.

No segundo caso, o destino da empresa passa para as mãos dos credores e não fica unicamente nas mãos do devedor, como ocorre atualmente com a concordata, onde o devedor, seguindo o que está estabelecido na lei, se propõe a pagar seus credores à vista, em 6, 12,18 e 24 meses.

Não existe mais um prazo limitado para os pagamentos, assim pode ser apresentado um plano propondo o pagamento da dívida em 10 anos.



6) Falência.
A falência poderá ser pedida pelo próprio devedor, pelo credor ou ela decorrerá da decisão que julgue improcedente o pedido de recuperação judicial; pela não aprovação do plano de recuperação judicial e ainda da conversão de um processo de recuperação judicial em falência, quando uma obrigação essencial do empresário for descumprida, como por exemplo, pela não apresentação do plano de recuperação judicial.

Para o pedido de falência será necessário, no mínimo, crédito equivalente a 40 salários mínimos.



7) A cessão da empresa.
Nasce o instituto da cessão da empresa após a falência. Desta forma, o legislador procura preservar a empresa, ou seja, toda a atividade organizada do empresário para que ela possa ter continuidade após a falência.

Não é a pessoa jurídica que é cedida e sim a empresa. Por isso que a sucessão trabalhista e a sucessão tributária irão desapareceram, permitindo que uma pessoa possa comprar uma empresa, sem comprar o passivo da pessoa jurídica.

Desta forma, muitos negócios surgem para investidores que querem comprar empresas falidas sem adquirir o passivo.

É importante que a atividade seja mantida, caso contrário, se a empresa for comprada somente para ser extinta, a lei não estará sendo respeitada, tendo em vista que a finalidade na nova lei é a de manter a atividade organizada em funcionamento.



8) Pessoas submetidas à nova lei.
Estão sujeitos à recuperação extrajudicial, judicial e à falência, o empresário, e isso engloba a figura do empresário individual e da sociedade empresária. A grande novidade é que a nova legislação passa a ser aplicada às companhias aéreas.



9) Pessoas não submetidas à nova lei de recuperação de empresas e falências.
Não estão sujeitos à nova lei de recuperação de empresas e falências a empresa pública e a sociedade de economia mista, instituição pública ou privada, cooperativa de crédito, consórcio, entidade de previdência complementar, sociedade operadora de plano de assistência à saúde, sociedade seguradora, sociedade de capitalização e outras entidades legalmente equiparadas às anteriores e o profissional liberal e à sua sociedade de trabalho.



10) Da suspensão das ações e execuções contra o devedor.
As ações e execuções contra o devedor não são suspensas no caso de pedido de recuperação extrajudicial. Somente são suspensas, de forma geral, por ocasião do deferimento do processamento da recuperação judicial e da decretação da falência.

As execuções de natureza fiscal e a cobrança dos adiantamentos de contrato de câmbio não são suspensas pelo deferimento da recuperação judicial. No procedimento especial, as ações e execuções por créditos não abrangidos pelo plano não são suspensas.

O credor titular da posição de proprietário fiduciário de bens móveis ou imóveis, de arrendador mercantil, de proprietário ou promitente vendedor de imóvel cujos contratos contenham cláusula de irrevogabilidade ou irretratabilidade, inclusive em incorporações imobiliárias, ou de proprietário em contrato de venda com reserva de domínio, não terá seu crédito submetido aos efeitos da recuperação judicial e prevalecerão os direitos de propriedade sobre a coisa e as condições contratuais.

Não se permite, contudo, durante o prazo de 180 dias, a venda ou retirada do estabelecimento do devedor dos bens de capital essenciais a sua atividade empresarial, ou seja, a suspensão para esses últimos credores somente ocorre pelo prazo de 180 dias, chamado período de observação, nada impedindo que o bem possa ser apreendido pelo credor fiduciário após essa fase.

Também não estão suspensas as ações relativas a créditos decorrentes de financiamento de valores a receber, garantidos por penhor sobre direitos creditórios, por títulos de crédito, valores mobiliários e aplicações financeiras.



11) Obrigação de informação.
As ações de natureza trabalhista na falência terão prosseguimento com o administrador judicial que deverá ser intimado para representar a massa falida, sob pena de nulidade do processo.

As Fazendas Públicas e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) serão intimados pessoalmente para que acompanhem o processamento do pedido de recuperação judicial.

Os sócios ilimitadamente responsáveis também serão considerados falidos e por isso deverão ser citados para apresentar contestação.



12) Direito de prioridade de recebimento dos créditos no processo de recuperação extrajudicial.
No processo de recuperação extrajudicial não existe nenhuma ordem legal para o recebimento dos créditos. O pagamento deverá ser feito conforme ficar acordado entre o devedor e seu(s) credor(es) sujeito(s) ao processo.



13) A exclusão de créditos do processo de recuperação extrajudicial.
Não estão obrigados a participar do processo de recuperação extrajudicial os créditos derivados:

- Da legislação do trabalho, acidentes de trabalho e de natureza tributária;

- O crédito decorrente de adiantamento de contrato de câmbio destinado à exportação;

- O credor titular da posição de proprietário fiduciário de bens móveis ou imóveis;

- De arrendador mercantil;

- De proprietário ou promitente vendedor de imóvel cujos contratos contenham cláusula de irrevogabilidade ou irretratabilidade, inclusive em incorporações imobiliárias;

- De proprietário em contrato de venda com reserva de domínio, não terá seu crédito submetido aos efeitos da recuperação judicial e prevalecerão os direitos de propriedade sobre a coisa e as condições contratuais, observada a legislação respectiva, não se permitindo, contudo, durante o prazo de suspensão das ações e execuções, a venda ou retirada do estabelecimento do devedor dos bens de capital essenciais a sua atividade empresarial.



14) Direito de prioridade de recebimento dos créditos no processo de recuperação judicial.
Havendo débitos de natureza estritamente salarial vencidos nos três meses anteriores ao pedido de recuperação judicial, esses devem ser pagos no prazo de 30 (trinta) dias até o limite de 5 salários mínimos por trabalhador.

O saldo deverá ser pago no prazo de 1 (um) ano juntamente com o crédito decorrente de acidentes de trabalho.

De forma geral, os demais créditos serão pagos conforme estiver previsto no plano de recuperação judicial.

O crédito tributário está excluído, podendo ser cobrado fora do plano, sendo que legislação específica deverá estabelecer o parcelamento.



15) O período de observação.
O período de observação constitui-se num lapso temporal de 180 dias, concedido pelo legislador, para que seja analisada a viabilidade da continuidade dos negócios do empresário.

Durante essa fase, o credor não pode vender ou retirar do estabelecimento do devedor bens de capital essenciais a sua atividade empresarial porque poderia dificultar ainda mais suas dificuldades econômica e financeira.

Aqui também estão incluídos bens móveis e imóveis, não precisando estar necessariamente dentro do estabelecimento do devedor, como por exemplo, um veículo utilizado para transporte de mercadorias.



16) Direito de prioridade de recebimento de crédito diante de um processo de falência.
Os créditos extraconcursais não concorrem com os créditos concursais quando é declarada a falência. Assim, do ponto de vista prático, num primeiro momento são pagos os créditos extraconcursais e depois os créditos concursais. Logo, temos a seguinte ordem de pagamento:

Créditos extraconcursais:
1º.- Terão prioridade de recebimento os créditos extraconcursais, por ex. adiantamento de contrato de câmbio.

Créditos concursais:
1º.- O crédito derivado da legislação do trabalho, limitado a 150 salários-mínimos por credor, e os decorrentes de acidente de trabalho;

2º.- O crédito com garantia real, limitado até o valor do bem gravado;

3º.- O crédito tributário, independentemente de sua natureza e tempo de constituição, exceto as multas tributárias;

4º.- O crédito com privilégio especial;

5º.- O crédito com privilégio geral;

6º.- O crédito quirografário, incluído como novidade: o saldo dos créditos não cobertos pelo produto da alienação dos bens vinculados ao seu pagamento, como ocorre com o crédito com garantia real; os saldos dos créditos derivados da legislação do trabalho que excederem o limite de 150 salários-mínimos; as multas contratuais e as penas pecuniárias por infração das leis penais ou administrativas, inclusive as multas tributárias e os créditos trabalhistas cedidos a terceiros;

8º.- Por último, o crédito subordinado.



17) Mudanças nos termos utilizados e criação do Comitê Gestor.
Desaparecem os termos utilizados no processo de concordata "comissário" e no processo de falência "síndico", substituídos pelo administrador judicial, nomeado com a abertura do processo de recuperação judicial e falência e do gestor judicial, quando o administrador for afastado dos negócios durante o processo de recuperação judicial. Cria-se o Comitê de Credores, responsável, entre outras, pela fiscalização da gestão do devedor.

Ele é formado por um representante indicado pelos credores trabalhistas; um representante indicado pela classe de credores com direitos reais de garantia ou privilégios especiais e um representante da classe de credores quirografários e com privilégios gerais. Cada classe conta com dois suplentes.



18) Finalidade da recuperação judicial.
A recuperação judicial do devedor visa a continuidade dos negócios das empresas viáveis, a manutenção de empregos e o pagamento dos credores. A lei atual se preocupa com a função social da empresa dentro do seu meio de atuação.



19) Da abertura do processo de recuperação judicial.
Atualmente, o devedor apresenta ao juízo uma proposta de pagamento que será feita a seus credores seguindo as condições estabelecidas na lei para realização de pagamentos. Uma vez preenchidos os requisitos estabelecidos na legislação, o julgador, sem ouvir ninguém, determina a abertura do processo de concordata.



20) Da apresentação do plano de recuperação judicial.
Com a nova lei, o devedor apresenta seu pedido e tem até 60 dias para apresentar um plano detalhado de recuperação, dizendo de que forma o empresário vai se recuperar e pagar seus credores.

O processo de recuperação judicial é aberto por uma fase preparatória e conservatória que permite uma análise profunda da situação econômica, financeira, patrimonial e social da empresa para ver se é possível sua recuperação.

No plano, sendo necessário, o devedor mencionará se haverá cisão, incorporação, fusão ou cessão de quotas ou ações da sociedade, substituição total ou parcial dos administradores, aumento do capital social, ou seja, de que forma ele pretende se recuperar, devendo comprovar a seus credores.



21) Da possibilidade de ser requerida recuperação judicial com débito tributário.
Após a aprovação do plano de recuperação judicial aprovado pela assembleia geral de credores, ou se não houve oposição dos credores ao plano apresentado pelo devedor, esse apresentará certidões negativas de débito tributário.



22) Do deferimento da recuperação judicial.
Uma vez processada a recuperação judicial com a aprovação do plano de recuperação, o empresário permanecerá sob observação judicial, em princípio, somente por dois anos.

Após este período, o processo é retirado da justiça. O plano pode ser revisto se houverem modificações substanciais na situação econômico-financeira do devedor.



23) Do descumprimento das obrigações do devedor em recuperação judicial.
Com a nova lei, não somente pelo descumprimento de obrigações pecuniárias, mas também pelo descumprimento de outras obrigações essenciais, ele terá declarada sua falência, como por exemplo, da não realização de uma fusão que era considerada essencial para a recuperação da empresa pelos credores ao aprovarem o plano de recuperação judicial.


24) Da nulidade dos atos praticados pelo devedor que prejudicam os credores.
A nova lei aumenta o prazo que era de 60 para 90 dias do período suspeito, tornando inoponível perante a massa liquidanda certos atos praticados pelo devedor que venham a prejudicar os credores, como a constituição de garantia real ou alienação de bem do ativo imobilizado.



25) Da responsabilidade penal.
A nova lei é mais rigorosa no aspecto penal, tipificando novos crimes e aumentando as penas, dando ensejo à prisão preventiva do devedor e/ou de seus representantes.



26) Da venda dos bens do devedor falido.
Com a nova lei, os bens arrecadados do devedor serão vendidos de forma mais rápida para pagar os credores porque não é necessário esperar a formação do quadro geral de credores para ocorrer a venda.



27) Da indisponibilidade de bens particulares dos réus.
A responsabilidade solidária e ilimitada dos controladores e administradores da sociedade limitada, estabelecidas nas respectivas leis, bem como a dos sócios comanditários e do sócio oculto, previstas em lei, poderá ser engajada com a decretação da falência, tornando seus bens indisponíveis.



Fonte:
http://sebraepr.com.br/portal/page/portal/PORTAL_INTERNET/PRINCIPAL2009/BUSCA_TEXTO2009?codigo=1156

Deixe seu comentário:




Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.


Comentários (16)

-
Boa noite. Estou totalmente no vermelho, assumi a empresa depois que meu marido faleceu, ele deixou uma dívida de quase 500 mil e agora não consigo pagar a dívida que ele deixou e nem pagar os credores, e ainda tem os impostos atrasados do tempo dele. Tô completamente falida, por favor!! Estou desesperada me ajudem!!!
-
Estou totalmente falido, não consigo pagar nada, estou sem crédito na praça e pespectiva alguma de sair desta, meu ramo é de confecções fabrica e loja o que pode ser feito?
-
 Olá Domingos, gostaríamos muito de ajudá-lo. Por gentileza, agende uma consultoria presencial conosco para que possamos avaliar a sua situação e indicar o melhor caminho a seguir. Aguardamos o seu contato pela nossa Central de Atendimento: 0800 570 0800. Obrigado
-
Boa noite. A situação é a seguinte: uma empresa particular de agro cereais recolhe a produção de soja, milho, trigo de vários produtores de uma região. Essa empresa declara falência. Como o produtor rural deve proceder para reaver sua produção? Talvez não seja o foco dessa discussão, mas estou precisando de orientação... obrigado
-
 Olá Fernado, pedimos que acesse o Sebrae Responde e poste sua dúvida, no link: http://app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do . Nossos consultores irão atendê-lo da melhor maneira possível. Agradecemos o seu interesse em entrar em contato conosco, e desejamos uma excelente semana para você!
-
GOSTARIA DE SABER COMO POSSO FAZER PARA VENDER AS MAQUINAS DO MEU ATELIER ESTOU FALIDA E NÃO QUERO FICAR DEVENDO PARA MEUS FUNCIONARIOS PRECISO INDENIZAR TODOS E AS DIVIDAS ASSIM Q EU ARRUMAR EMPREGO NOVAMENTE VOU REFINANCIAR MEU ATELIER É DE COSTURA DE SAPATO POR FAVOR ME DE RESPOSTA SE PODER ME ESCREVER GOSTARIA DE ESCLARECER MUITAS DUVIDAS
-
 Olá Lesiane, boa tarde!

Obrigado pelo comentário. Acesse o SEBRAE RESPONDE no link: www.sebraepr.com.br/Portal/Fale.do e converse diretamente com um dos nossos consultores. Este serviço é gratuito. Sucesso!
-
gostaria que pessoas que ja tiveram empresas aberta a alguns anos e feicharam fossen esclarecidas si podia abrir o mei
-
 Olá, boa tarde!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Se preferir agende um horario com um dos nossos consultores através da central de relacionamento 0800 570 0800, o atendimento é gratuito.

Aguardamos a sua visita!
-
Ola, presto serviço de transporte para uma empresa em RJ, tenho em meu galpão material perecível da empresa, ela me deve um montante, posso vender o material que tenho para ressarci meu prejuízo? o material vai acabar estragando!!!
-
 Olá Geraldo, boa tarde!

Obrigada por comentar. Envie sua dúvida diretamente a um dos nossos consulotres através do SEBRAE Responde: app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do

Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Obrigada.
-
Bom dia! Tenho uma empresa individual (microempresa), onde passei anos sem pagar alguns impostos (Pis ,cofins, IR ,Csll) e agora apareceram muitos parcelamento e ainda vão vim mais alguns todos sobre impostos , e não estou conseguindo paga-los... meus fornecedores estão em dia..porém o que ganhamos não tenho como pagar os impostos... e as vendas cairam muito... Posso decretar falência? Depois de falido ainda tenho que pagar os impostos? Agradeço pela atenção!
-
Olá Dias, boa tarde!

Obrigada por comentar. Envie sua dúvida diretamente a um dos nossos consulotres através do SEBRAE Responde: app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do 

Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Obrigada.

 
-
Sou credor de uma empresa em Recuperacao Judicial. Para evitar descontos, estamos aceitando a conversao da divida em cotas da empresa, que eh do tipo Ltda. Corremos risco em ser socio desta empresa (mesmo com participacao menor que 1%, no caso dela falir ou durante a RJ cometer atos fraudulentos ? muito grato pela ajuda
-
Olá Fabio, boa tarde! 

Obrigada por comentar. Envie sua dúvida diretamente a um dos nossos consulotres através do SEBRAE Responde: app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do





-
É uma vergonha para nosso país deixar uma empresa tão maravilhosa quanto esta, que presta um lindo trabalho a sociedade , fechar suas portas, talvez seja a horas das outras se unirem e ajudar um SEBRAE com 1 % de sua renda anual.
-
 Lentina, obrigada por comentar! Sucesso!
-
Olá! Para fins de licitação, o MEI precisa de "Certidão de inexistência de pedidos de falência e recuperação judicial"? Caso afirmativo, onde conseguir essa certidão? Obrigado!
-
Olá Geovane, boa tarde!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Se preferir agende um horario com um dos nossos consultores através da central de relacionamento 0800 570 0800, o atendimento é gratuito.

Aguardamos a sua visita!
-
boa noite tenho uma oficina mecânica,desde os últimos meses o meu movimento caiu muito e não estou conseguindo manter a empresa estou no serasa tanto nome físico e também jurídico ,não quero fechar a empresa meus fornecedores são obrigados a fazerem um acordo de pagamento ,fazendo o acordo eles são obrigados a retirar o nome do serasa , como funcionaria no meu caso ..........não sei oq fazer obrigado
-
Olá Fernando, boa tardea!

Obrigada por comentar. O SEBRAE/PR terá satisfação em auxiliar com ideias para o seu negócio, para isso, agende um horário com um dos nossos consultores ligando pra 0800 570 0800. Tenha um atendimento gratuito e personalizado.

Aproveite para descobrir qual é o seu perfil empreendedor. Faça o teste agora mesmo e descubra, acesse: www.perfildoempreendedor.com.br

Conheça os novos vídeos da coleção SEBRAE Pocket, são mini aulas com dicas importantes para quem quer abrir ou já tem um empresa, acesse: bit.ly/135SnwK


Obrigada e boa sorte!
-
tenho uma empresa e estou passando dificuldades em cumprir meus compromissos financeiros,mewu marido faleceu e eu fiquei ausente por 6 meses dai meu movimento caiu e não consegui cumprir com pagamentos tais como aluguel,agua,luz e fornecedores,o que preciso fazer para pedir concordata?
-
Olá Leonalda, boa tarde!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Se preferir agende um horario com um dos nossos consultores através da central de relacionamento 0800 570 0800, o atendimento é gratuito.

Aguardamos a sua visita!
-
Matéria pertinente e muito boa
-
 Olá Ivo, boa tarde!

Obrigada por comentar. Aproveite para descobrir qual é o seu perfil empreendedor. Faça o teste agora mesmo e descubra, acesse: www.perfildoempreendedor.com.br


Obrigada e boa sorte!
-
Por gentileza numa Recuperação judicial, se ja tem deposito que paga a divida trabalhista,ocorrendo falência, os credores trabalhistas habilitados recebem seus direitos dentro do 150 salarios míninmos?
-
 Olá Luciana, boa tarde!!

Obrigada por comentar. Envie a sua duvida diretamente a um consultor SEBRAE Responde app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do


Obrigada e boa sorte

-
GOSTARIA DE SABER SE O MEI PODE SOLICITAR A FALENCIA E SE EXITE PARCELAMENTO DE DÉBITOS APÓS SOLICITAR A BAIXA?
-
Olá Jusciane, boa tarde!

Obrigada por comentar. Não, o MEI não pode pedir falência, somente a baixa (extinção) da empresa, que pode ser realizado pelo Portal do Empreendedor.
As contribuições que estão em atraso, deverão ser quitadas, na sua totalidade antes da baixa ou mês a mês mesmo após a baixa. Pois se manter as contribuições em aberto, a divida vai para a dívida ativa.
Possíveis dúvidas, busque o atendimento do SEBRAE/PR no 0800 570 0800 para ajudar na solução do seu caso.

Obrigada e boa sorte!


-
por favor tenho um salao de beleza e umas cliente que eu atendi nao me pagou, ela deixou somente o cartao de credito dela. oque eu faço? como agir para tentar achar essa pessoa? muito obrigado desde ja!!

Boletins especiais